domingo, 9 de setembro de 2012

Cabana.

O sol matinal se espreguiçava pelo chão do cômodo.
O sofá-cama jazia quieto, sob o ventilador que rodava lânguido.
Ele dormia calmo, uma coberta fina sobre o corpo, e um semblante de quem sonhava longe dali. E em paz.
Já batiam quase nove horas.
Me aproximei e sussurrei bem baixinho que acordasse, a manhã já batia à janela.
Meus cachos se estenderam por cima de sua cabeça, imergindo-nos naquele local secreto que só nós dois poderíamos ver.
Beijei a pintinha em sua pálpebra direita, ainda fechada e sonolenta.
Ele se alongou devagar e demorou a abrir os olhos, mas quando os abriu, fixou-os logo em mim.
Eu não podia fazer menos que abrir um sorriso que pudesse abraçá-lo por inteiro.
Ele, ainda meio sonhando, me agarrou a mão esquerda e a pôs debaixo de seu travesseiro, como para que não fugisse.
Em pensamento, disse que não.
Não vou fugir.

Da sua,
Natália Albertini.