terça-feira, 12 de agosto de 2008

Luz

- Por favor, não me deixa. Não agora.
- Se fosse em qualquer outro momento, eu poderia?
- Não. Não... Não me deixa, não me deixa.
- Não posso mais olhar para você.
- Pelo amor de Deus! Claro que pode! Olha, eu estou bem aqui!
- Você está sumindo da minha vida.
- Por Deus, não me deixa! Fala comigo! Fica aqui! Não me deixa!
- Não tenho mais forças...
- Oh, Deus, oh, Deus, Deus, Deus!
- Não me acompanha, os...
A carne amoleceu-se, o plasma esfriou e as duas últimas borboletas se libertaram.

E aos fundos podia-se ouvir alguém gritando "chamem uma ambulância!". Não sabiam ao certo se era uma ou duas vidas em questão.

Um curtinha pra vocês,
Natália Albertini.

Um comentário:

Gustavo Fialho, disse...

drama psicológico é o que há. (?)

keep writing.