segunda-feira, 6 de abril de 2009

Boticário.

Um dos meus pequenos mas fundamentais prazeres é sentir o cheiro dos shoppings, sabia? É, pode ser uma enorme bobagem e até parecer que sou a pessoa que mais idolatra o capitalismo ou coisas assim. Mas, não, não tem nada a ver com ideologias ou filosofias, é simplesmente aquele mínimo prazer carnal que você tem, entende?
Todos os dias que saio da escola e venho para casa de ônibus, sou obrigada a passar pelo shopping Metrópole (minúsculo, a propósito, quase uma galeria). Eu espero o farol fechar para poder atravessar a Av. Pereira Barreto, passando por três faixas de pedreste, até alcançar a calçada do posto de gasolina, onde sempre tenho de dar um passo maior que os outros para poder subir aquela pequena inclinação. Com as mãos nos bolsos, soltas ou segurando as alças da mochila, adentro o shopping e, como que realizando um ritual rotineiro, inalo aquele odor tão familiar e reconfortante. Caminho rápido até a loja O Boticário, da qual me aproximo e também roubo um pouco de seu cheiro tão peculiar. Caminho rápido até esta loja porque, talvez vocês nunca tenham percebido, o odor dessa loja misturado ao odor do shopping Metrópole é incrivelmente agradável.
Depois de perceber estes dois cheiros, caminho mais tranquila, guardando-os na memória e perdendo-os das narinas pouco a pouco. Minhas mãos se tranquilizam, meus dedos se desdobram e fico até mais leve. Peculiaridades visíveis somente a mim.
Besteira, né? Mas eu tinha de postar isso em algum momento, simplesmente não havia encontrado maneira de fazê-lo. Talvez vocês não saibam, ou talvez saibam, o quanto é importante, ao menos pra mim, postar esses meus pequenos prazeres, pensamentos, indignações ou qualquer outro tipo de coisa. Porque acho que, apesar de muito faminta pelo futuro, ás vezes mordo a língua e engulo doses e doses de nostalgia.
Esses cheiros são tão concretos a mim neste momento, mas talvez daqui a algum tempo não sejam mais. E talvez, lendo este texto no futuro, eu me lembre de todas as tardes em que ia embora xingando o colégio e do quanto isso faz falta.
E vocês não sabem como meus joelhos se amolecem e como o chão parece sumir só de pensar que meu tudo de agora pode não ser nem um terço do meu tudo do futuro...

Natália Albertini.

Um comentário:

Billy disse...

É tão estranho, né?
Nunca consigo guardar a lembrança do cheiro da boticário ou do ar condicionado do shopping por muito tempo, daí toda vez que sinto algum desses perfumes sinto como se fosse a primeira vez, como se eu nunca tivesse os sentido, true...
Um dia te dou uma latinha com um desses cheiros, combinado?