sábado, 7 de agosto de 2010

"The tears come stream and down your face, when you lose something you can't replace, when you love someone but it goes to waste. Could it be worse?"

Enquanto tento escrever algo que de mim não quer sair, sinto meu avô aqui ao meu lado, inclinado sobre mim, tentando ler a tela do computador, me perguntando sobre os sites e como consigo digitar tão rápido.
Sorrio de canto e olho, por debaixo de seu corpo, para o corredor, à esquerda.
Vejo meus primos e eu, pequenos, correndo e rindo.
Em seguida eles passam pela janela deste quarto, à minha direita, fazendo a cortina balançar sutilmente.
Memórias desprendidas dos acolchoados da sala, floridos. Dos porta-retratos na estante, da TV ligada, do tapete e da mesa de centro que sempre deixa ser posto sobre si um um vaso de belas orquídeas ou margaridas.
Lembranças do espelho de corpo inteiro do corredor, do enorme e branco banheiro com a abertura escura e sombria para o telhado.
Recordações dolorosas e coloridas da cozinha que, tão grande, sempre acolhe a família em datas comemorativas, da tesoura escondida atrás da cortina, da geladeira sempre cheia de guloseimas, iogurtes, dos armários, dos pratos e dos copos, da dispensa ladeada por comidas e materiais de papelaria, do quartinho com a tábua de passar e o grande armário que abriga tudo.
Memórias do piso gelado e escuro da varanda, do balanço, do quintal marcado pela tinta que certas netas uma vez passaram, da pequena orquidaria e das árvores tão floridas, do portão de vidro, agora de alumínio graças a meu pequeno incidente quando criança, que dá pra garagem de duas vagas.
Lembranças escuras e poeirentas da passagem secreta para o pequeno quarto de ferramentas.
Volto a mente para este quarto, esta escrivaninha, este teclado, este corpo postado aqui tentando pôr em palavras que não, meu vô não estava aqui, foi só uma armadilha de minha mente.
Ele ainda está lá, sendo velado.
Mas vô, não se preocupe, já peguei o DVD de bolero que você me pediu pra pegar... Vou cuidar bem dele, pode deixar.

Ps.: And sometimes it seems that this is just a terrible nightmare and i'm going to wake up anytime...
Ps2.: New life for me now. And not always new is good. Right now, it's terrible, because it means 'without you'.
Natália Albertini.

2 comentários:

Rebecca disse...

Whatever u need, I'll be here.

Tama ors disse...

Me senti compartilhando das informações com você, me lembro da sala, das longas cortinas, da mesa de centro, do espelho no corredor, do enorme banheiro e da imensa cozinha, das nossas olhadas ao quintal vizinho pelo muro (em cima de cadeiras) e da "mamãe polenta" naquele correror e quintal.
Belas e doces lembranças, são o seu tesouro. Força prima.
Um beijo