segunda-feira, 22 de novembro de 2010

Cortes abertos.

Por míseros instantes, poupei meus pés de outro pulo consecutivo.
Senti a música fazendo minhas veias vibrarem, insanamente alta.
Senti as pessoas de ambos os meus lados saltando e gritando, chicoteando suas cordas vocais.
Senti cabeças balançando e mãos aplaudindo.
Senti a energia do cantor épico se esparramar por toda aquela multidão.
Senti as teclas de seu piano me baterem, causando-me espamos. Dos bons.
Senti o chão da arquibancada tremer, senti meus pés procurando se acalmar, espantar o medo.
Senti as luzes me cortarem a pele.
Por míseros instantes, senti.
E então voltei a pular e gritar, ao ritmo da canção.

Ps.: Ai, meus novembros, hein? [; Dia 27/11 do ano passado e dia 21/11 desse ano, quem diria!
Natália Albertini.

2 comentários:

Yane Manuela disse...

Olá adorei o blog, muito bom! Parabéns! Visita o meu:
http://blogpalpitando.blogspot.com/

Rafa. disse...

Sentiu o bem em estar viva, pulsante. Pode parecer piegas ou frase batida, mas no mundo moderno, sentir isso é fundamental!

Até mais!