domingo, 22 de maio de 2011

Reles Mortais.

Ele surgiu à sua frente, depois de um longo intervalo.
Ela abriu os olhos como um passarinho, mas sorriu como um felino. Previsões lógicas.
Ele ergueu a mão que segurava a grande faca.
Ela não fez objeções, pelo contrário, provocou, dizendo que estava enganado.
Ele negou debilmente com a cabeça.
Com a lâmina, recortou primeiro seus pés, depois subiu às pernas, descascando a pele delas, enquanto que na virilha fez cortes que deixavam as pernas quase que completamente soltas, como marionetes esquecidas, sem movimento.
Chorava de dor e, segundo ele, por ter tanta certeza do que fazia.
Ela ficava ali, parada, com um olhar que demonstrava falsa curiosidade, o que o impelia a continuar. E o sorriso que jamais desgrudava-se de seus lábios.
Ele fincou a faca no abdôme, vendo o sangue escorrer-lhe corpo abaixo, viscoso, abrindo o apetite dela, que começava a salivar, mas mantinha-se firme, distante.
Ele banhou-se no sangue até então obtido, lambuzando o pescoço, os cabelos claros, as sobrancelhas e até mesmo os olhos tinham um tom avermelhado da loucura.
Ela ainda postava-se na inércia, com a mesma expressão, embora por dentro o gosto daquele sangue antes tão familiar lhe voltasse à boca e fizesse cócegas em sua língua.
Ela aproximou-se, contendo-se ainda mais, pois então o cheiro do rubro empestava o ar.
Os olhos dele subiram aos dela, insanamente nostálgicos e suplicantes.
Ela colocou o pé em seu peito, empurrando-o para baixo, fazendo-o deitar.
Agachou-se e encarou-o.
Nenhuma palavra foi dita.
O orgulho a divertia profundamente, tinha vontade de rir escarnadamente ali mesmo, na frente daquele reles mortal, mas os bons modos não ensinaram-lhe aquilo. Era uma assassina, sim, uma canibal. Mas das boas, pois não comia corpos. Comia massas encefálicas e átrios e ventrículos.
Postava-se bem, enquanto ele ainda suplicava-lhe para ser engolido de maneira quase infantil.
Ela apenas sorria.
Confessou para o mais íntimo de si mesma, contudo, que a tentação de beber daquele sangue de novo, de sentir-lhe pastoso e grosso na boca, era gigante.

Natália Abertini.

Nenhum comentário: