sábado, 29 de maio de 2010

Relâmpago.

Sentado num dos assentos verdes-água, esperava o metrô chegar, com a mochila sobre suas pernas.
Estava cabisbaixo, labialmente acompanhando os instrumentos naquela sinfonia Tchaikovskyniana.
De soslaio viu uma máscara de Guy Fawkes ao pé do banco.
Seus olhos se iluminaram.
Sua coluna endiretou-se.
Suas mãos se apertaram.
E ali, secreta e silenciosamente, um ideal revolucionário trovejou por seu meio-sorriso.

Ps.: não adianta, eu não canso de me inspirar vendo V.
Natália Albertini.

Nenhum comentário: