terça-feira, 2 de junho de 2009

D.R. (Discussão de relação)

- Não, você não entende...
- Claro que entendo! Você está simplesmente dizendo que pra você é pior do que pra mim.
- Não, estou tentando ser compreensiva...
- Não tá, não! Eu sei que é só mais um daqueles seus joguinhos psicológicos!
- Tá! Tudo bem! Você que ganhou! O que você quer ouvir, meu Deus?! Que eu discordo de você? Que eu acho que pra mim dói bem mais?
- Não, porque você sabe que é pior pra mim. Muito pior...
- Ah, por que você não vai se ferrar, hein? Que coisa mais idiota...
- Não, não é. Você sabe o que significa a palavra dor?!
- S... - ela começou, mas foi logo interrompida por um jato de palavras saídas da boca dele.
- Claro que não sabe! Você nunca, nunca, nunca - e enfatizou esta última - vai sentir o que eu sinto quando me machucam!
- Felizmente... - ela falou para si mesma, mas ele acabou por ouvir e se ofender ainda mais.
- Como você é insensível!
- Tá vendo? É por isso que você sofre mais! Porque você se deixa tomar pela dor muito mais facilmente que eu. Como acha que eu aguentaria a minha dor, é, aquela mesmo, aquela que você nunca, nunca, nunca vai sentir, se fosse sensível como você?
- Não tem nada a ver...
- Claro que tem! Ou você acha que é uma questão física?
- Claro que é!

Apertei os olhos e apurei os ouvidos. Como ele podia achar que um término de namoro era uma dor física? E que máximo, ela estava quase que perfeitamente despreocupada com os sentimentos dele. Foquei mais ainda meus sentidos na briga do casal sentado na mesa à frente, até parei de comer por alguns instantes, realmente me interessei pela discussão que havia pego já começada. Eles continuaram.

- Por Deus...só você, mesmo.
- Não! Não sou só eu! Todos os outros homens do mundo se sentem exatamente assim quando vocês, mulheres, fazem isso.
- Isso o quê?!
- Isso! Desprezam a nossa dor!
- Não estou desprezando. Só acho que não há motivo nenhum pra discutir o que todo mundo sabe!
- E o que todo mundo sabe?
- Que a dor de uma cesária é bem maior que a dor de um chute no saco. Só que nós, mulheres, conseguimos aguentar a dor bem melhor que vocês, meros homens.
- Ainda acho que pra nós dói bem mais!
A garota simplesmente se levantou, bem como ele tinha feito ao proferir suas últimas palavras, o olhou aos olhos e chutou-lhe os culhões com força inesperadamente grande e bem aplicada. Ele caiu ao chão, gemendo e gritando, enquanto ela, com um ar de divertimento, o olhou e respondeu simplesmente:
- É, realmente. Exatamente agora, dói bem mais em você do que em mim.
E saiu, rindo-se.

Ah, sim. Eles não estavam discutindo a relação. Era só a eterna guerra dos sexos. Ri de leve e voltei a comer, divertida com a desgraça do garoto. Afinal, é isso que fazemos de melhor, sendo homem ou mulher.


Ps.: parabéns, mamãe! :D
Natália Albertini.

Nenhum comentário: