quinta-feira, 28 de janeiro de 2010

Cochilo de camarão.

O astro-rei se pondo, tingindo o céu de salmão alaranjado. As luzinhas voadoras se acendendo, naquele esplendor entômico.
A varanda cheia de folhinhas trazidas pela brisa. As lâmpadas ainda apagadas. As redes balançando suavemente com o vento.
O colchão jogado de qualquer forma num dos cantos, próximo a uma das redes, perto da porta da casa.
E em cima dele, sobre uma canga colorida, um ser humano.
O corpo à mostra, vestindo um simples biquíni vermelho, liso, ainda úmido. Os cabelos numa trança improvisada. As pernas cruzadas, as costas viradas para cima. A cabeça sobre os braços dobrados.
Um sutil movimento representava sua respiração.
As pálpebras, imóveis, projetavam as sereias e os elefantes oníricos. A mente completamente não sintonizada na garoa que começava a cair, molhando a grama.
Aquele véu de sono, se tornando quase que ciente do cheiro de camarão vindo da cozinha.

Natália Albertini.

Um comentário:

Jose Ramon Santana Vazquez disse...

...traigo
sangre
de
la
tarde
herida
en
la
mano
y
una
vela
de
mi
corazón
para
invitarte
y
darte
este
alma
que
viene
para
compartir
contigo
tu
bello
blog
con
un
ramillete
de
oro
y
claveles
dentro...


desde mis
HORAS ROTAS
Y AULA DE PAZ


TE SIGO TU BLOG




CON saludos de la luna al
reflejarse en el mar de la
poesía...


AFECTUOSAMENTE:
NATALIA


DESEANDOOS UNAS FIESTAS ENTRAÑABLES OS DESEO FELIZ AÑO NUEVO 2010 Y ESPERO OS AGRADE EL POST POETIZADO DE LA CONQUISTA DE AMERICA CRISOL Y EL DE CREPUSCULO.

José
ramón...