sábado, 16 de janeiro de 2010

Quebra-mar.

Murmúrios, conversas e risadas de todos os lados.
Pequenas pedrinhas me irritando a parte debaixo das pernas, acomodadas sobre a mureta.
O barulho do mar quebrando, tranquilo e sereno, nas pedras ali embaixo.
Mais palavras e sorrisos de todos os lados, mas aqui por dentro, calmaria.
Meia-noite, fogos, muitos feliz-ano-novo, abraços e beijos.
Individualidade para apreciar os fogos, bebericando um pouco de champagne, apesar desta ser unicamente amarga.
Pois é. 2010. 17 anos. Faculdade. Ex-amigos.
Ex-amigos? Não, calma, não é o fim do mundo.
Ah, é...certo...é só um novo ano.
Só?
Puta que pariu, é um ano novinho em folha.
Mas...engraçado...fiquei uma hora aqui, em silêncio, observando os outros e esperando os fogos, e nenhum balanço de 2009 me passou pela cabeça.
Saco, essas pedrinhas estão realmente me enchendo o saco.
Pois é... Acho que esse é o ano.
Entretanto, nada de butterflies on my stomach, nada de spinning head. Estranho. Isso significa maturidade?
Risada contida.
Claro que não, idiota, é só sua estúpida insensibilidade taking over again.
Ou seria só que...sei lá...ainda não caiu a ficha?
I was told that seria o pior ano novo da minha vida, que minha vida passaria diante dos meus olhos, que eu choraria até a barriga doer, até a garganta ficar irritada (assim como minhas pernas estão agora com essa mureta infernal), que eu lembraria de todos os meus amigos e lamentaria por não ter festejado mais, por não ter me despedido corretamente and stuff like that. E, contudo, cá estou, passando outro ano novo na praia, sem grandes epifanias e ainda...viva.
Será que é só a insensibilidade AGAIN?
Puta que pariu...it sucks, se for, really.
Ou será que seria bom pensar que eu sou a pessoa mais sortuda do mundo e que eu, tipo assim, GANHEI NA LOTERIA?
Isso é, que eu vou, sim, fazer USP, vai ser mara, vou ter todos os benefícios de faculdade e, ainda assim, manter todo o meu glamour (?!) de colegial?
Não, né...cada pergunta...
Mas e se for melhor pensar assim?
E se pensar assim afaste toda a possível dor ou incômodo?
É...pode ser uma boa.
Por enquanto, acho bom apostar nisso, quem sabe...
Chega, não aguento mais flagelar minhas pernas aqui.
Levanto-me.
Pulamos as sete ondas, tomamos um pouco de chuva e aí, passar umas boas seis horas com uns amigos (de colégio).
Nada melhor.

Ps.: E-C-A. Que nojo... Mas precisava me livrar disso o quanto antes. Tá meio difícil escrever ultimamente. Tenho ócio demais na cabeça. Tô numa época de sentir muita coisa. Muita gente diz que tem dificuldade em se expressar, em lidar com palavras. Pra mim, isso ocorre au reverse. As palavras me infestam, me intoxicam. Recentemente tenho feito alguns exercícios em relação a isso. Tento só sentir, tento me desligar das palavras que descrevem aquilo. Embora ache uma puta sacanagem com todo o meu esforço literário e me ache uma puta traíra, por vezes é bom, faz bem. Não sei se deu pra entender, mas enfim... Só quero dizer que acho que meus posts vão ficar bem mais escassos, embora me doa MUITO dizer isso. Mas nada permanente ou irreversível, não se preocupem (leitores inexistentes). Enfim... E aí, qual a boa de hoje?
Ps2.: parabéns aos meus pais pelo aniversário de casamento. (:
Natália Albertini.

Nenhum comentário: