quarta-feira, 24 de setembro de 2008

Geometria

Em frente àquela boquinha perfeitamente desenhada, àqueles imensos olhos castanhos de cílios alongados e àquelas mãos pequenas e gordinhas que representavam Kyra, William teve vontade de explodir em lágrimas. Não por criar a criança sozinho, afinal aquilo era uma felicidade e tanto para ele. Mas, sim, por que, em momentos que lhe orgulhavam como aquele em que a menina acabara de fazer o primeiro desenho da vida dela - que, a propósito, só era bonito aos olhos do pai, quando olhava para o lado, Naomi não estava mais lá.
O ângulo de visão da mulher jamais estaria novamente no mesmo plano que o seu.

Natália Albertini.

Nenhum comentário: